Kelly Nagaoka e Marcelo Nomura discutem redes sociais nos negócios na TvABCD

A convite do apresentador Raul Campos, tive a grata oportunidade de discutir, ao vivo, dia 17/01, das 10h às 11h, o uso das redes sociais nos negócios, ao lado de Marcelo Nomura, professor de pós-graduação em redes sociais. Facebook, Twitter, Orkut, YouTube e Google+ foram alguns dos assuntos abordados.

Saiba mais:
Tema do Programa Fábrica de Negócios: “O Poder do uso das Redes e Mídias Sociais nos Negócios”

Convidados:

Kelly Nagaoka
Jornalista em mídia social
www.kellynagaoka.com

Marcelo Nomura
Publicitário, Professor de pós-graduação em redes sociais na UNINOVE
mnomura1@yahoo.com.br

Assista o programa na íntegra em http://bit.ly/z8b4Et

Importância das redes sociais em entidades culturais

Trabalhar com as redes sociais de entidades sem fins lucrativos, cujo objetivo principal é divulgar a cultura de um determinado segmento é um desafio prazeroso. Não é um trabalho fácil, pois exige dedicação, com atualização diária e muita pesquisa. Por isso, escrevo aqui um pouco de minha experiência como voluntária na Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e Assistência Social (Bunkyo), desde setembro do ano passado.

No dia 15 de janeiro de 2012, eram 1417 fãs no Facebook do Bunkyo. É muito gratificante ver que a cada publicação, o curtir dos fãs é automático. Até hoje, tivemos o maior número de curtir em uma publicação de Ano Novo, em 31 de dezembro de 2011, com o post de “Feliz 2012!” e uma arte abordando o Ano do Dragão (http://on.fb.me/AuwZTy). Foram 57 curtir, 11 comentários e 38 compartilhamentos.

A entidade ainda tem um potencial enorme de crescimento. O olhar da diretoria mudou após o Fórum de Integração Bunkyo (#FIB11), em 29 e 30 de outubro de 2011, que teve como tema principal as redes sociais. Muitos acreditavam que a maioria dos participantes nem saberiam o que era o Facebook, o que conseguimos provar o contrário, pois a maioria dos participantes está marcada na foto principal do evento.

A principal questão deixada no evento foi usar as redes sociais para ser uma entidade mais social. André Rosa, especialista em web, define bem essa questão. “O pior erro é achar que mídias sociais são um mero canal de divulgação. Muitos ignoram a questão do diálogo e acabam adotando estratégia similar daquele papel de ofertas que chega à garagem de sua casa, jogadas por alguém. Ocorre muito com o e-mail, que dá o mesmo efeito de spam”.

Por isso, deixo aqui algumas dicas para as entidades que possuem como metas primordiais promover e incentivar atividades culturais em geral: interaja com seus fãs, não os deixe falando sozinho em sua fanpage, curta ao máximo outras páginas que gostaria de se relacionar, aproveite a presença maciça da imprensa. Quem sabe a sua entidade consegue engatar diversas pautas interessantes por meio de sua fanpage?

*Texto feito especialmente ao Blog Mídia8! 

Documentário “Cláudio Kano, o Atleta do Detalhe”

Tive o privilégio de conhecer e conviver em treinos e torneios com o grande mesa-tenista Cláudio Kano, que nos deixou em 1996 por conta de um acidente de moto.

O que mais lembro com carinho de Cláudio foi o dia que ele reuniu diversas meninas, no Mc Donald’s da Juscelino. Era o início dos anos 90. Ele queria nos passar a experiência dele da Suécia. Destacou a parte de preparo físico que precisávamos melhorar muito. Lembro que ele estava muito suado. rs

Como é interessante lembrar do Cláudio, dessa atitude tão bonita de preocupação com o tênis de mesa feminino. Foi uma bela atitude de um líder.

Também me ajudava nos treinos, assim como Hugo Hoyama, na época que eu defendia o clube ADR Itaim Keiko.

Depois de iniciar o esporte, em 1986, treinar firme a partir dos anos 90 até 2000/2001, jogar pela seleção, estagiar no Japão e na China, competir em diversos países interessantes, organizar o livro “Tênis de Mesa – Teoria e Prática”, em 2006, agora ganhei mais um presente por meio de minha ferramenta de trabalho: Facebook. Desde a semana passada, faço parte da equipe do documentário “Cláudio Kano, o Atleta do Detalhe” na área de pesquisa. A produtora está em busca de vídeos, histórias e fotos com o querido Cláudio (e-mail: memoriakano@paranoidbr.com).

Cláudio será um dos homenageados e imortalizados em documentários produzidos com recursos do programa Petrobras Esporte & Cidadania, por meio do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, realizado em parceria com a ESPN Brasil.

Saiba mais:

Fonte: Memória do Esporte

Cláudio Kano deixou sua marca no tênis de mesa brasileiro e mundial

Cláudio Kano não chegou a ser um medalhista olímpico. Mas sua carreira, desconhecida para a maioria dos brasileiros, reúne elementos muito especiais, que revelam o perfil não só de um grande atleta, mas de um verdadeiro ídolo. Estudioso e detalhista, Kano começou a praticar o tênis de mesa com apenas 9 anos de idade. Dono de um estilo único de jogo, foi cinco vezes campeão brasileiro, quatro vezes campeão sul-americano, seis vezes campeão latino-americano e ganhou 12 medalhas Pan-americanas.

Cláudio participou de duas Olimpíadas, Seul e Barcelona, e encerraria sua carreira em Atlanta. Sua meta era figurar entre os 8 maiores da competição. Ele havia passado 3 meses no Japão, treinando intensamente, e emagrecera 9 quilos, atingindo o auge de sua forma física. No entanto, um dia antes de embarcar, Kano sofreu um acidente de moto e acabou falecendo. A carreira de um dos maiores mesa-tenistas do Brasil acabava ali.

Contar esta história é uma maneira não só de homenagear a memória de Cláudio Kano, mas também de realizar registro inédito sobre a modalidade em nosso país. Embora seja um esporte extremamente plástico e interessante imageticamente, nunca foi feito um documentário nacional aprofundado sobre o tema.

O filme também pretende divulgar, incentivar e estimular o desenvolvimento futuro deste esporte, o mais popular do mundo – são 40 milhões de praticantes. Aqui, o famoso ping-pong faz parte da vida de muitos brasileiros como brincadeira dinâmica, mas o esporte levado a sério, com estatuto de competição olímpica, ainda tem muito a crescer.

Ficha técnica:

Documentário: “Cláudio Kano, o atleta do detalhe”

Produtora: Dreamonoid Brasil Ltda

Denis Kamioka, diretor do documentário, já jogou tênis de mesa na ADR Itaim Keiko

Diretor: Denis Kamioka (Cisma)

Localidade: São Paulo (SP)

 

Um dia emocionante de voluntária e a paixão nikkei

O texto da blogagem coletiva de Samatha Shiraishi, por conta do Dia Internacional do Voluntário, em 05/12, que descobri no último sábado, me inspirou e me faz sentir contente em relembrar uma ação voluntária recente minha e de meu marido, Fernando. A ida à Fundação Casa de Franco da Rocha para ministrar uma palestra sobre tênis de mesa, em 26 de setembro.

Um dia de tênis de mesa na Fundação Casa

Karin Midori, professora de Educação Física, entrou em contato comigo e me passou todos os detalhes: seriam 84 internos, de 14 a 18 anos, queria que contasse minha experiência de mesa-tenista na época da seleção, interagisse com eles, etc.

Nós e os monitores da Fundação Casa

Fundação Casa é a antiga Febem. Por isso, ao ouvir a palavra Franco da Rocha, vinha na mente algumas rebeliões. Mas nada disso me afetava, e sim, o que me deixava ansiosa era se aqueles 84 meninos iriam prestar atenção em nossa palestra.
A viagem foi grande até o local, estrada de terra, o local é bem afastado da cidade. A chegada na Fundação requer várias checagens. Por medida de segurança, celular e máquina não entram. Só levamos o essencial: material de tênis de mesa.
Como disse nesse post, passamos momentos muito emocionantes. Contei minha experiência no esporte, os estágios no Japão e na China, as diversas viagens ao exterior para torneios, treinos rigorosos, como foi jogar pela seleção. E posso dizer com orgulho, lembrando do olhar deles, que aqueles meninos de cabelo raspado, bermuda, camiseta e chinelo estavam mesmo prestando atenção. Pois, no final, vários vieram perto de mim, me chamando de “senhora”, para perguntar se falava japonês e chinês, e que dissesse algumas palavras para eles.
Para interagir, fizemos o desafio de saques. A fila era enorme e os meninos entravam várias vezes nela para tentar pegar o saques do Fernando. Dois deles conseguiram, distribuímos prêmios e nos divertimos muito.
Foi um dia muito emocionante. Não imaginávamos o quanto essa ação voluntária seria marcante para nossas vidas.

Paixão nikkei

Outra ação voluntária recente em minha vida é a atualização das mídias sociais (Facebook e Twitter) da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e Assistência Social – Bunkyo.

Meu contato com a comunidade começou muito cedo, aos 6 anos, quando comecei a jogar tênis de mesa. Aos 13, comecei a minha saga pela seleção brasileira, até os 21 anos. Exatamente, aos 21, entrei na faculdade de Jornalismo. A descoberta e paixão pelo mundo nikkei ocorreu mesmo em 2002, em meu primeiro estágio no Jornal São Paulo Shimbun. Dois anos depois, trabalhei no Jornal Nippo-Brasil, e foram quase cinco anos de aprendizado sobre a comunidade nipo-brasileira.
Quando iniciei a busca por um sonho, de trabalhar com mídias sociais, recebi o convite de integrar a Comissão de Comunicação do Bunkyo e, desde setembro, atualizo as redes sociais da entidade.
A oportunidade de continuar o contato com as minhas raízes, além de fazer parte de uma equipe nota 10, me motiva diariamente a ser uma profissional melhor em minha área.
Para finalizar, gostaria de deixar registrado o que significa hoje ser voluntária:

SER VOLUNTÁRIA É REALIZAR AS VONTADES DE SUA ALMA PARA QUE TENHA O MELHOR SUCESSO DESSA VIDA: SER FELIZ! :)

*Muito obrigada, Samantha, por essa oportunidade de escrever algo tão bonito. Admiro muito o seu trabalho.

Mídias sociais no IV Fórum de Integração Bunkyo – #FIB11

Foi com muita emoção que conseguimos cumprir o objetivo de usar todo o potencial das mídias sociais no IV Fórum de Integração Bunkyo – #FIB11, nos dias 29 e 30 de outubro. Ferramentas como Facebook e Twitter foram essenciais para integrar todos os participantes do evento: palestrantes, inscritos (dos mais jovens aos mais velhos), voluntários e organizadores.

Shodi Nomura, Henry Arimura, Rodrigo Meikaru, Claudio Kurita, Kelly Nagaoka, Celina Yamao, Flávia Arakaki e Victor Kobayashi

Foi a primeira vez que a Comissão de Comunicação do Bunkyo trabalhou de forma integrada e inseriu as mídias sociais com destaque no #FIB11. Liderada por Cláudio Kurita, a comissão formada por mim, Flávia Arakaki, Rodrigo Meikaru, Celina Yamao, Claudio Sampei, Osmar Maeda, Edwin Hasegawa e Shodi Nomura implantou com muito empenho as atualizações nas redes sociais. Jovens do Seinen Bunkyo e de outras entidades de todo o Brasil ajudaram a espalhar as informações sobre o evento na internet.

O objetivo de divulgar e espalhar as novidades do #FIB11 no facebook.com/bunkyo e o Twitter @bunkyonet foi alcançado com muito esforço. Parabenizo a todos que usaram essas ferramentas para levar o IV Fórum de Integração Bunkyo ao conhecimento do maior número de pessoas.

Passei dois dias emocionantes e intensos. O desafio de ser uma das palestrantes em um evento com Içami Tiba e Jun Sakamoto foi imenso. Ansiosa por natureza, treinei muitas vezes com meu marido, Fernando, a apresentação. E, graças à paciência e dicas dele, consegui tornar a palestra mais objetiva.

Ver a movimentação na página de Facebook e Twitter da entidade faz ver que valeu muito a pena investir nossos esforços nesse objetivo de transformar a entidade em um ambiente mais social.

O post da foto oficial do #FIB11 reuniu a maioria dos participantes, com marcações do perfil no Facebook. O espaço desmitificou a ideia que poucos conheciam as redes sociais. A surpresa foi ver após o evento que líderes de mais idade são usuários da rede social mais popular do mundo, como Bernardo Tibana (presidente da Associação Esportiva e Cultural Nipo-Brasileira de Campo Grande), Kiyoji Nakayama (presidente da Associação Cultural de Mogi das Cruzes) e Anacleto Hanashiro (secretário geral do Bunkyo).

Após chegar em casa, a sensação foi de extrema felicidade e de dever cumprido.

 

 

 

Lascivité aposta nas mídias sociais

Faz 8 dias que iniciei meu trabalho com as mídias sociais da loja super charmosa Lascivité, na Vila Madalena.

Conhecer a Camila Machado, estilista e criadora da marca, foi como voltar ao passado ao ver o investimento dela na moda retrô.

Camila Machado

Vestido Isabelle

Casaco em veludo cotelê Mia

Só faz um pouco mais de uma semana que somos parceiras, mas parece que já faz mais de um ano.;)

Interior da Lascivité

Entrada da Lascivité, na Vila Madalena

Lascivité na internet

Site: www.lascivite.com.br

Blog: http://blog.lascivite.com.br/

Facebook: facebook.com/lasciviteloja

Twitter: twitter.com/lascivite

Flickr:  flickr.com/photos/lascivite

Visite a loja

Rua Harmonia, 218 b, Vila Madalena
Telefone: (11) 3031-1072
Horário: 2ª a sábado, das 10h às 19h

 

SEO (Search Engine Optimization) para jornalistas

Após encarar duas semanas do cursos de gerente de mídias sociais, resolvi apostar no curso de SEO do site Gestor de Marketing.

Só achei uma pena não ter o material todo em pdf. Podemos acessar os vídeos por 20 dias. Tem o material de apoio, mas não é a mesma coisa de ter todo o conteúdo organizado em uma apostila. Faz parte, afinal é um curso on-line e o valor promocional está bacana.

Conheça mais sobre o assunto:

Fonte: Olimpio Araujo Junior – www.gestordemarketing.com

O SEO (search engine optimization) é um conjunto de estratégias que tem como objetivo principal conseguir um bom posicionamento para seu site nos mecanismos de pesquisa. Podemos dividir o SEO em duas fases: a primeira é a alteração dos códigos do site, que deve ser feita por um especialista em programação Web; a segunda, é o que eu costumo chamar de “fator humano”, trata de todas as ações que podem ser feitas dentro e fora do site mesmo por profissionais que não tem nenhum conhecimento de programação.

O SEO é atualmente uma das ferramentas mais relevantes no mercado do marketing digital, pois estar nas primeiras posições dos resultados de busca nos mecanismos de pesquisas, como o Google, Yahoo e Bing, é essencial para qualquer site.

O que poucas pessoas sabem é que não é necessário ser um especialista para aplicar as estratégias de SEO. Profissionais de comunicação empresarial, relações públicas e assessoria de imprensa na verdade são parte extremamente importante no processo de otimização de sites, pois a produção de conteúdo e o relacionamento com outras mídias, principalmente outros sites, portais e blogs, é provavelmente a parte mais relevante do SEO.

O interesse pela internet pelas organizações aumentou consideravelmente nos últimos anos motivado por vários fatores, e esta busca por “um lugar na web” tornou os mercados de marketing digital, gestão de mídias sociais e de SEO – Search Engine Optimization, uma excelente opção para jornalistas, profissionais de comunicação empresarial, relações públicas e assessoria de imprensa.

 

 

 

O que não fazer nas mídias sociais

Fernando e Dina Costa, da DSONE Social Media Agency, mostram o caso de um vídeo da Bis, de setembro de 2008, mas que no final rendeu mais críticas que elogios.

A ideia central é que uma mulher criou um vestido que vira porta, pois não aguentava mais as pessoas pegarem todo o Bis dela.

Já se passaram quase 3 anos, mesmo assim o vídeo serve de lição para tomar cuidado com as ações em mídias sociais. Fica aqui a dicas de Fernando e Dina:

- Não tentar “enganar” o internauta, NUNCA;

- Ser criterioso com ideias que pareçam “maravilhosas”;

- Manter um plano consistente de gerenciamento de crise.

Outras matérias sobre mídias sociais:

- Empresas querem investir nas redes sociais imediatamente

- Entenda mais sobre as mídias sociais

Sandra Huang conta sua história

Margareth Huang e Sandra

Margareth e Sandra Huang

Quando conheci a estilista e minha grande cliente nas mídias sociais, Sandra Huang, por meio de Joana Okoshi (autora do livro “Em Sintonia com a Vida”), no início de julho, não imaginava quantas histórias essa linda chinesa guardava.

Em um dia de bate-papo, que durou muitas horas, descobri os diversos lados da vida cheia de desafios de Sandra.

Uma delas, a mais difícil, ela contou de uma maneira tão suave que não dava para imaginar que ela tinha passado por isso. Somente com o post abaixo, no blog dela que administro, ela escreveu mais detalhes.

Confira

Sandra pintando no hospital

Sandra pintando no hospital

Sempre… Sempre é uma história… Talvez por isto eu sempre hesitei em escrever/falar sobre o assunto! Por que as outras doenças também não “rendem” uma história? Existem tantas tão fatais quanto, mas o câncer carrega este estigma da morte, ou “a luta pela vida”!! Mas nunca me senti uma heroína nesta batalha! Heroína para mim é a mulher com seis filhos para criar e sem emprego! Esta, sim, luta arduamente pela sobrevivência! Quando me diziam… Tão jovem, tão bonita… Com câncer… Ué, não entendi. Por quê?! Se eu fosse velha e feia, tudo bem, então? A “perda/pena” já não seria tanta?

Aprendizados da vida 

Como agora eu e o Reynaldo Gianecchini temos algo em comum, além da beleza (é humor negro, sim, a vida também tem seu lado engraçado mesmo nas dificuldades, viu, gente?), resolvi falar um pouco sobre o assunto! Mas, antes, passo a palavra ao trecho do blog Força na Peruca, de Márcia Cabrita: “Eu fiquei gravemente doente. Ao contrário do que muitos fantasiam, não tirei de letra. A cobrança de positividade acabou se tornando um problema. Acho um saco quando dizem: ‘Fulano perdeu a batalha contra o câncer’, ‘Fulana tem tanta vontade e alegria de viver que foi salva’ ou ‘O amor por meus filhos me salvou’. Me parece tremendamente injusto. Quer dizer que quem morre não amava a vida? O amor pelos filhos não era grande o suficiente? A fé foi pouca? Ninguém diz que alguém perdeu a batalha para o enfarte, nem que amava tanto a vida que ficou bom da tuberculose”.

Faço destas minhas palavras. É isso aí, Márcia!! Colega (de câncer)!!rsrs

Tenho linfoma não-Hodgking há mais de 10 anos, com direito ao kit completo: quimioterapia, radioterapia, perda de cabelo, vômitos, etc. E, em 2008, um transplante autólogo de medula (detalhe: provavelmente não-curativo)! Viver com esta faca apontada não é mole!

Dizem que uma imagem fala mais que mil palavras. Então, não vou me estender. O recado está claro, não? É o tal do “copo meio cheio”.

Superação

Claarooo que não foi fácil. Eu achava que ia desidratar de tanto chorar. Dormir, então, só à base de remédios. Mas como diz o ditado popular (todos são de uma verdade absoluta!) “a vida segue”, “depois de hoje vai ter o amanhã” (ainda que não estejamos aqui para ver).

Cada caso é um caso, cada pessoa é uma pessoa, mas a receita não muda. Tentar fazer coisas que gostem, se ocupar, aproveitar para repensar a vida, poder após de tudo se dar ao direito de reinventar uma nova forma de levar a vida, repensar os valores. O que é que realmente te faz feliz?  Será que você sabe? É claro que provavelmente não sabe! Pensa que sabe! Esta é uma “boa” hora para descobrir!!

O pior que pode te acontecer não é o câncer. É você se sentir vítima dele! Apesar que, putz, ele  sequestra a tua vida, e pede às vezes de resgate a própria (estão vendo por que nunca aceitei dar depoimentos?). Nem todo mundo quer ouvir a verdade. Mas ninguém morre de vésperas e  a doença vai te dar um presente! Um par de óculos para você enxergar a vida diferente! Claro, claro, você pode jogá-los fora. O livre-arbítrio não é lenda não!

Eu tive tantas histórias engraçadas/felizes no decorrer do tratamento, que não daria para contá-las aqui. Cuidado para que as lágrimas não te impeçam de enxergar as tuas. Também não fique se cobrando para ser “forte”! Chore tudo o que tiver direito, berre, se revolte, seja paparicado, mande trazerem mais chocolates, mas, depois, chega, né? Vá se reinventar! E olha que não é a todo mundo que este privilégio/benção é dado! É difícil enxergar as bençãos da vida quando elas chegam disfarçadas de desgraças, né? ;)

- Conheça melhor a estilista Sandra Huang

Empresas querem investir nas redes sociais imediatamente

Mais uma boa notícia para quem investe nas mídias sociais, como é o meu caso.

Uma pesquisa aponta que 70,4% das empresas pretendem investir em ações nas redes sociais imediatamente.

O Ateliê Sandra Huang optou por esse investimento há menos de dois meses e já teve bons resultados, como Sandra relata no depoimento abaixo.

Com esse elogio, fico ainda mais motivada a continuar nessa aposta, que possui inúmeros desafios. Afinal, a área de mídias sociais apresenta novidades diariamente.

Confira todos os detalhes da matéria “Os objetivos das empresas brasileiras na gestão de redes sociais”, de 23 de agosto.

Fonte: Portal Meta-Análise

A Orbium, empresa especializada no desenvolvimento e na comercialização de softwares para Contact Center, acaba de divulgar uma prévia da pesquisa “CRM e Redes Sociais”, realizada com 156 companhias no País com o objetivo de identificar seus anseios e metas em relação à gestão da marca/produtos nas mídias sociais.

O levantamento foi conduzido entre os dias 5 e 19 de agosto e abordou organizações de diversos segmentos, com representantes dos setores de serviços, financeiro, tecnologia, comunicação, varejo, benefícios, transportes, automotivo, seguros, imóveis, utilidades, indústria, call center  e telecom.

Do total de empresas consultadas pela Orbium, 70,4% disseram que pretendem investir em ações nas redes sociais imediatamente, enquanto 22,5% têm intenção de apostar nesse nicho, mas não a curto prazo. A minoria, representada por 7,1% dos entrevistados, garante que não tem interesse em investir nessas mídias.

Quando questionadas se já realizaram monitoramento de suas marcas nas redes sociais, 57,1% responderam que sim, de forma manual, e 22,9% já o fizeram de forma automatizada. Nesse contexto, 52,1% das organizações entrevistadas consideram muito importante o monitoramento de sua imagem na internet, 43,7% classificam como importante e apenas 4,2% acreditam que esse trabalho seja irrelevante.

Além disso, 47,9% das empresas pesquisadas disseram que realizam ou já realizaram campanhas nas redes sociais e 42,3% afirmaram que nunca fizeram, mas possuem interesse. Somente 9,8% das companhias consultadas responderam que não promoveram ações nas redes sociais e que iniciativas dessa natureza não constam de seus planos. Sobre a possibilidade das redes sociais gerarem insights para as empresas, 53,5% das entrevistadas acreditam que elas podem sim contribuir com o negócio.

A Orbium também perguntou como as empresas percebem a interação de redes sociais com o CRM (termo usado para o gerenciamento do relacionamento com o cliente). Os dados mostram que 48,6% das organizações consultadas acreditam ser muito importante integrar o conteúdo das mídias sociais com o CRM. Outros 48,6% disseram que consideram importante, mas não a prioridade para seu negócio. Apenas 2,8% afirmaram ser irrelevante essa interação.